Amigo da Alma Rotating Header Image

Posts under ‘Sonetos’

Urano: o Planeta Antroposófico

URANO – O PLANETA ANTROPOSÓFICO (por Paulo Urban, médico Psiquiatra e Psicoterapeuta do Encantamento) Afinal, quando é que se inicia a Nova Era de Aquário? E o que Urano, regente deste signo, tem a ver com isso? Maléfico ou Benéfico, o que se pode dizer dele? Planeta das Rupturas ou do Despertar da Consciência? _________________________________________________ [...]

Filhas de Urano

FILHAS DE URANO De Urano o sangue e o sêmen derramados, vertidos sobre o mar fizeram espuma, da qual linda Afrodite(1), deusa de uma beleza sedutora, ergueu-se aos nados. Mas do sangue jorrado à Terra em bruma, ainda entorpecida, sobre os prados, exausta, quase morta aos coitos dados, ergueram-se as Erínias(2), três em suma: Aleto(3), [...]

Tece, Mede, Corta

TECE, MEDE, CORTA As Moiras são as Parcas são as Normas(1) , desfiam esse fio chamado vida; são três velhas senhoras, ditam a lida, conhecem do Destino as suas formas. Tece Cloto(2), a fiandeira; já a medida é Átropos(3) quem dá, que assim conforma o Tempo que nos cabe sem reforma, cortado então por Láquesis(4), [...]

N.N.D.N.N.

N.N.D.N.N.  Pois, o ego, essa matéria em pedra bruta, depois de calcinado vezes quantas requer ser dissolvido em outras tantas, eis o alquimista entregue à sua labuta. Que o solve et coagula é a sábia Planta, que em onda e varredura assaz arguta, banhando-nos com fogo o Rei transmuta na força da Rainha sacrossanta. São [...]

Cosmicalquímico

Em meus preparativos para o próximo curso de Alquimia a ser ministrado, ontem mesmo visitei o mestre em sua casa, e estivemos por algumas horas conversando ao pé do fogo que ele mantém diuturnamente aceso em seu laboratório-biblioteca. Privilégio o meu tê-lo conhecido ainda em minha adolescência, era o ano de 1978. Desde então, nossa [...]

Amor Filosofal

AMOR FILOSOFAL “Porque o que eu oculto está à mostra; tão evidente que olhos profanos jamais o reconhecerão”. (Christiano Sotero) São 7 as minhas pedras, 12 os signos, e 2 os meus caminhos, seco e úmido; oculta no Mistério de além-túmulo, eu sou a arte dos sábios fidedignos. Se queres penetrar meus ramos túmidos, colher [...]

O Incontido

O INCONTIDO Medida de si mesmo e do Universo que é o Homem senão régua de Protágoras? Medida da poesia, das metáforas, não mais do que um pequeno e simples verso. Lançado em pleno abismo, em priscas ágoras, aberto à eternidade em seu abraço, das pedras às galáxias do espaço, à Música dos Orbes de [...]

Ceninterna

CENINTERNA Scanner, eu me leio em meus aspectos, sou prisma de saudades, fortes ventos, mistura em corpo e n’alma de elementos, um pool de novos sonhos, meus projetos. Sou métron, sou medida e sou momento, invólucro de meus próprios espectros, um drama em labirintos circunspectos, virtuoso em ver pecados no meu centro. Sou varredura em [...]

Transformalvo

TRANSFORMALVO Em voo cruza a flecha o seu caminho, parábola em promessa pontiaguda, buscando em seu silêncio, feito um Buda, cravar-se bem no centro de seu ninho. Que a flecha é a mente em foco, é prece muda, é a busca por seu crivo, um crer sozinho, é o Espírito em seu alvo e puro [...]

Sala de Autópsia

SALA de AUTÓPSIA “Hic est locus ubi mors gaudet sucurrere vitae” dístico do alemão Carl von Rokitanski (1804-1878), patologista e filósofo humanista. Deitado sobre a pia-altar o mestre, silente em branco mármore oferece-se para a autópsia. Os presentes têm interesse em saber do que a morte se reveste. O necrotério, um templo em nobre prece, [...]

Cavaleiro Kadosh

CAVALEIRO KADOSH Kadosh(1) Cavaleiro em vigilância, eu vingo De Molay, mestre Templário, combato o fanatismo e seu cenário, também a tirania e a ignorância(2). Sou águia negra e branca em itinerário, no peito a cruz teutônica em fragrância, nela desperta a rosa da constância com que, fiel a mim mesmo, cumpro o horário. Que a [...]

Arcanjo Sentido

ARCANJO SENTIDO Viajo por meu corpo, um santuário; sagrados, meus sentidos abrem portas, ensinam-me os segredos das retortas e buscam pelo Graal no relicário. Mergulho dentro em mim por zonas mortas que acordam à luz do scanner itinerário; penetro o coração, este sacrário, e encontro lá um arcanjo de asas tortas, Ferido e machucado, encarquilhado: [...]

Sonetencantipnótico

SONETENCANTIPNÓTICO (para a alma poetar) Eu peço à poetisa: ‘Poetiza!’ Mas ela a compor versos se recusa, me diz estar sofrendo e inda confusa, que a flama de seus olhos se amortiza. Então lhe rogo o encanto e invoco a musa Calíope, mãe de Orfeu, de bela visa*, suprema dentre as nove e profetiza, a [...]

Trappist One

TRAPPIST ONE Sete monges trapistas, planetários cenobitas de estrita observância, em órbita ao redor de estrela-estância constelam-se em ciranda, Era de Aquarius!! De sólida e rochosa vigilância, suscitam dos terráqueos comentários, uns menos, outros mais extraordinários, mas todos de notável relevância: – Terá vida nalgum destes planetas? – Atmosfera, oceano, ou quer que seja? – [...]

Arte Mágica

ARTE MÁGICA Baralhos, covilhetes… ágeis dedos, o mágico anuncia o espetáculo e orquestra sua plateia com seu báculo, desafiando a todos seus segredos. Faz truques de vidência e qual oráculo envolve toda gente em seus enredos, faz desaparecer também os medos, convida a transformar todo obstáculo. Casaca com cartola: – Abracadabra! rancores viram rosas, pombas [...]

Orvalhágrimas

ORVALHÁGRIMAS (à luz dos Pensamentos de Blaise Pascal, Fragmentos 72, 194, 205 a 208 e 227) Esse silêncio eterno dos espaços infinitos me assombra e me apavora. Quando penso na vida mundo afora é em minha pequenez que me embaraço. Por que se fazem escassos tempo e hora? Por que tão breve a lide em [...]

Vox Dei

Conta-se que os deuses tinham por tradição reunir-se em Concílio no Monte Olimpo todo 21 de junho, solstício de verão, quando então, após terem as Musas já cantado e as Cárites dançado, comungando da ambrosia, dos vinhos e de outros néctares psicoativos, entravam em Coclave, passando em revista e discussão suas ações até então cometidas, [...]

Da Natureza dos Símbolos

Dia de Reis, sexta-feira, Alan e eu fizemo-nos presentes ao laboratório de mestre Sotero para a preleção preparatória à próxima Iniciação de Grau em nossa Ordem. Fazia tempo não via meu confrade, última vez que ambos estivemos em oração e serviço na casa do mestre era ainda o ano de 2013, quando passamos noite toda [...]

Saturno

SATURNO Decifra-me conquanto eu te desfolho: sou eu teus grãos contados da ampulheta, a derradeira foice em silhueta que orbita no limite de teus olhos. Sou mais denso metal, razão secreta por trás da qual, prudente, eu me recolho em passos de eremita à luz de um óleo que queima esta tua vida em dor [...]

A Nave Perdida de André Carneiro

 Uma das raridades de minha biblioteca é ‘Diário da Nave Perdida’, Edart, 1963, livro de contos assinado por mestre André Carneiro (1922-2014), personalidade fantástica por si só, maior nome brasileiro no gênero da ficção científica. O exemplar que tenho em mão foi-me dado pelo próprio autor e traz uma encadernação em couro sobre a capa [...]