Amigo da Alma Rotating Header Image

Pondo a Alma no Negócio

PONDO A ALMA NO NEGÓCIO

 Texto de Paulo Urban, publicado na Revista Planeta, edição nº 374, novembro/2003

Paulo Urban é médico psiquiatra e Psicoterapeuta do Encantamento

         “O trabalho é o amor feito visível. Se não podeis trabalhar com amor, mas somente com desgosto, melhor seria que abandonásseis vosso trabalho e vos sentásseis à porta do templo a solicitar esmolas daqueles que trabalham com alegria”. 
(Kalil Gibran, 1883-1931, in O Profeta)

Homens trabalhando

Embora seja comum que muitos reclamem do trabalho, poucas pessoas, entretanto, conseguiriam viver sem ele. Em verdade, a maior parte das queixas nem diz respeito ao trabalho em si, mas ao fato de que muitos trabalham sem encontrar maior sentido em suas atribuições, senão a de conseguir algum dinheiro para o pagamento das contas que vencem mensalmente, por meio de uma mecanizada rotina, algo absolutamente distante daquilo que podemos chamar de felicidade.

O trabalho é necessário, sem dúvida, para o exercício da economia mundial, para sustentar famílias, para gerar uma ciranda de relações raramente justas, mas suficientemente capaz de manter toda a complexidade das hierarquias sociais. Serve também, cumpre dizer, para distrair o indivíduo comum, preenchendo seu tempo com obrigações que o fazem desviar-se das próprias mazelas e angústias pessoais, impedindo-o muitas vezes de encarar mais profundamente sua própria solidão.

Curso para executivos (foto Pedro Agilson).0.25

Curso para executivos (foto Pedro Agilson)

O trabalho, nesse aspecto, torna-se eminentemente espúrio e nos faz operar diariamente sem satisfação, a fim de entregarmos parte preciosa de nossa energia aos projetos dos outros, sem que sequer, na maioria das vezes, vejamos reconhecidos nossos esforços. Fácil constatar, quase sempre trabalhamos por real necessidade e o fazemos para sobreviver no seio de uma sociedade selvagem e competitiva, que desconsidera o afeto e a amizade entre pessoas que se vêem diariamente em ambiente profissional. 

Pior quando esta rotina nos entrega à chamada “maldição do trabalho”, que, em sua crueldade, adestra-nos a sair de nosso lar, obriga-nos a passar muitas horas fora dele circulando pelo departamento ou repartição burocrática onde trabalhamos, para que, mais tarde, retornemos ao anonimato de nossas casas, quando somos facilmente esquecidos por nossos chefes e colegas até o tão igual dia seguinte. Por isso, com reiterada freqüência, desde que reflitamos, damo-nos conta de que a contribuição que prestamos não passa de mera expectativa de um sistema gigantesco e funcional que nos absorve, e descobrimo-nos como peças facilmente descartáveis de empresas às quais servimos feitos soldados, treinados que somos a transformar os dias úteis em inúteis dias sem satisfação, próprios de uma guerra cuja razão nem direito compreendemos.

Sisifo2.0.33

Tal maldição nos remete ao mito de Sísifo, insolente e astuto rei de Corinto que, por haver certa feita delatado Zeus como raptor de uma ninfa, e por ter ludibriado noutras ocasiões tanto Tânatos, deus da morte, como Hades, Príncipe das Trevas, foi pelos três condenado a empurrar no mundo dos mortos um pesado bloco de pedra monte acima. Entretanto, mal chegando ao cume pontiagudo, puxada pelo próprio peso, a pedra rola abaixo pelo outro lado da montanha, o que castiga Sísifo a um trabalho interminável e sem sentido.

Nosso trabalho não deveria aproximar-se disso absolutamente; antes, deveria servir-nos como meio de expressão e de realização pessoal. O ato nobre perde seu sentido quando beneficia apenas a parte contratante, quando se polariza de modo a servir a alguns poucos poderosos em detrimento dos tantos que dele participam. Por outro lado, pode servir como ferramenta fundamental para transformar nossas vidas sempre que nos valoriza como pessoas, levando-nos à descoberta, por conta do que fazemos, de que somos respeitados e dignos, e que nosso papel encontra ressonância na comunidade.

Dinheiro1.0.3Nesse sentido, o trabalho passa a ser ponto de permeabilidade entre pessoas que podem perceber-se mais felizes quando, por meio de suas particulares contribuições, enxergam-se mais próximas umas das outras, unidas em torno de um ideal comum, o que facilita vivermos mais centrados em torno de nós mesmos. Se isso acontece, sentimo-nos participativos, não anônimos distantes, o que nos abre a chance de reconhecermo-nos como gente e não como engrenagens frias de uma máquina que nos atropela a cada dia. Podemos assim descobrir o prazer de dar e receber, num exercício recíproco que prestigia sobretudo a ética e a amizade nas relações de trabalho. É imprescindível que cada trabalhador, em busca de sua paz pessoal, sinta-se integrado espiritualmente ao que faz, só assim poderá estar aberto e mais disposto a vincular-se com sua empresa num sentido amplo, muito além do padrão dos contratos empregatícios. 

Para manter o movimento harmônico do trabalho e a saúde daqueles que o integram, a satisfação pessoal é essencialmente importante. As grandes empresas que desejam estar à frente neste alvorecer da Era de Aquário, modo geral, pouco a pouco começam a dar-se conta dessa nova ordem psico-social, marcada pelo entendimento de que valores espirituais assumem sincera e crucial importância para o bom andamento de qualquer negócio.

Paulo Esteves, consultor econômico

Paulo Esteves, consultor econômico

As palavras de Paulo Esteves, economista e consultor de relações com investidores da Thomson Financial, são claras: “Antigamente as empresas apenas se preocupavam com indicadores meramente financeiros para apresentar seus balanços anuais; depois vieram os índices sociais, e neste particular, não podemos deixar de citar a louvável contribuição do sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, que, como visionário, fundou o IBASE (Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas), propondo um modelo de parâmetros sociais que abrem as portas para uma nova consciência empresarial, que está criando as bases de um novo modelo de relações do trabalho. O Brasil, poucos sabem, é dos países mais avançados na área de responsabilidade social das empresas, o que favorece, decididamente, o despertar de indicadores espirituais; creio que podemos chamá-los assim. O conceito é ousado e absolutamente novo. Ou seja, as empresas estão aprendendo, finalmente, que devem investir a fundo no elemento humano, na qualidade íntima das pessoas, e propõem-se até a contratar programas e profissionais especializados (esotéricos, psicólogos, monges budistas, etc…) que possam levar seus funcionários a encontrar a própria espiritualidade. Os empresários mais argutos estão descobrindo esta nova e promissora realidade, que nos revela o óbvio: somente funcionários maduros, mais serenos, mais centrados, que busquem diariamente a espiritualidade é que podem privilegiar a ética nas relações e assim trazer maior retorno e qualidade ao trabalho da empresa como um todo.”

Herbert de Souza - Betinho (foto Pedro Agilson)

Herbert de Souza - Betinho (foto Pedro Agilson)

Paulo Esteves, ele próprio, é exemplo dessa nova tendência. Em 2002, em função de um intenso questionamento existencial que já lhe ocupava por alguns anos, peregrinou pelo caminho francês até a Catedral de Santiago da Compostela e de lá estendeu seus passos até Finisterre, cidade do extremo norte espanhol, cujas encostas que se debruçam sobre o mar fizeram os antigos romanos imaginar que ali seria o lugar onde o mundo terrestre terminava. A viagem, percorrida em 40 dias, foi-lhe sobretudo um exercício de profunda transformação. Precisando, porém, estender um pouco suas férias para cumprir o seu propósito, encontrou por parte de sua empresa a natural compreensão. Fazendo valer a lei da reciprocidade, se, por um lado, viu-se apoiado por seus superiores em sua determinação, por outro pôde viver uma experiência que sabidamente contribui para o aprimoramento pessoal, para o amadurecimento espiritual, elemento este cada vez mais privilegiado pelas empresas que, dispostas a colher um produtivo retorno em suas ações, vêem aí o grande segredo: pessoas que melhor se conhecem, trabalham sempre melhor.

Paulo Esteves, consultor econômico, peregrino.

Paulo Esteves, consultor econômico, peregrino.

Outro inovador conceito a corroborar esta mudança na consciência empresarial é o de sabático. Herbert Steinberg, escritor e consultor de empresas, fala dele em seu livro Sabático, um tempo para crescer; editora Gente. O termo provém do hebraico e seu sentido religioso diz respeito a um período de repouso, dedicado a reflexões e orações, que se inicia no pôr-do-sol da sexta-feira. No Antigo Testamento há referência também ao ano sabático, quando a terra devia ser entregue ao descanso após cada período de seis anos de cultivo e produção, o que nos revela a milenar noção de que as pausas são necessárias à reciclagem e à fertilidade.

Sabatico.0.3

No que tange às empresas, o sabático traduz uma parada programada das atividades profissionais cujo intuito maior é o de renovação. Não há uma duração pré-determinada para seu exercício, o sabático se estende pelo tempo necessário ao projeto e aos objetivos que se busca alcançar. Geralmente, os sabáticos cobrem meses em que o indivíduo apenas estuda ou reflete, e se exercita espiritualmente, período este em que fica interditado seu retorno à empresa. Afastamentos prolongados do ambiente de trabalho aliviam o estresse cotidiano, o que favorece o sabatista a priorizar o caminho do autoconhecimento. Tal prática costuma gerar novas perspectivas no âmbito profissional e promove o desenvolvimento saudável da carreira, centrado no amadurecimento pessoal.

Avaliados em sua singularidade, esses períodos podem ser remunerados ou não; muitas vezes são patrocinados pela empresa, que espera de seu funcionário que retorne do interregno com projetos viáveis que possam ser nela aplicados. Claro, as empresas podem até mesmo perder alguns funcionários que decidam, por conta disso, alterar radicalmente o rumo de suas vidas; mas ao que parece, vale mesmo a pena correr tal risco, em face da grande vantagem que é a possibilidade do funcionário voltar ao serviço para nele mergulhar de corpo e alma, assumindo um vínculo bem maior com a empresa, fruto de uma motivação interna assumida muito mais seriamente.

Herbert Steinberg.0.5

Aqui a imaginação e o despertar da alma cumprem imprescindível papel, capaz de redirecionar a carreira em prol da satisfação pessoal. Aqueles que aprendem a resgatar seu mundo interior e a vincular-se, antes de tudo, consigo mesmos, investem no próprio desenvolvimento sem perder de vista o futuro; erramos quando nos vinculamos com algo exclusivamente exterior, como é o trabalho inteiramente dedicado aos outros. Erro maior é o das empresas que só fazem sufocar seus funcionários para deles extrair até a última gota de sangue e suor sem lhes dar a chance de que se descubram felizes em suas capacidades latentes, comumente despertadas em períodos de reflexão e auto-análise.

Um Executivo no Caminho.0.2

Nenhum trabalho é bom quando nos asfixia. O ideal é que possamos respirar em sintonia com a nossa natureza; isso significa mais satisfação, mais trabalho, melhor imaginação e maior vínculo (de alma) com nossa produtividade.

Nada disso ocorre à toa; o mundo está passando por uma reestruturação de seus principais valores, especialmente os que determinaram o jogo de poder do século passado. Tal fenômeno permite o desabrochar anímico e o surgimento de um novo paradigma num ambiente inesperado, como é o do mercado econômico-político e empresarial. O que restou, por exemplo, da titânica queda de braço entre capitalismo e comunismo? Sempre entendi o capitalismo como a exploração do homem pelo homem e o comunismo como a mesma coisa no sentido inverso. Ademais, se o vício do primeiro é distribuir desigualmente as benesses materiais, entendo que o segundo se esmere por repartir eqüitativamente toda miséria. Como explicar a Karl Marx que o despertar da espiritualidade possa ser a solução para a injusta relação da mais–valia? Como fazer ver ao decadente império estadunidense que não está na guerra pelo capital o verdadeiro valor de nossas vidas?

Entendo que o caráter inédito do trabalho contemporâneo seja justamente este: o crescente reconhecimento da alma como elemento vital para sua realização e manutenção de toda ordem social. A imaginação nunca foi tão valorizada como ora passa a ser pelas empresas; nem houve na história econômica da humanidade momento algum em que sabedoria de vida e autoconhecimento fossem tão prestigiados como diferencial curricular entre candidatos a um emprego.

O Resgate

O Resgate; óleo sobre tela do artista plástico Eduardo Vilela

Enquanto os mercados sofrem mudanças em velocidade de estonteante globalização, só não caem fora da roda os que sabem girar bem centrados e cônscios de si, fiéis aos princípios de ética e respeito pelo outro. Os velhos modelos econômicos que ensinavam levar vantagem em tudo já estão caducos e não encontram mais respaldo numa época em que tudo deixa de ser linear e previsível para dar lugar ao inédito promissor. As empresas que se recusam a ver o novo estarão cada vez mais improdutivas. Precisamos aprender a trabalhar sem pecar contra nós mesmos, sem apagar a luz da alma. Ela torna-se bem-vinda ao ambiente de trabalho por ser propriamente fonte da imaginação e da sabedoria.

Neste sentido, trabalhar se torna um exercício que nos ensina a usufruir a vida com maior respeito pelo que herdamos de nossos antepassados; mais que isso, nos faz abrir o coração em prol das gerações seguintes, que colherão os frutos de nosso responsável plantio.

Quem diria, as empresas estão descobrindo que a alma do negócio é pôr verdadeiramente a alma nele!  

 

Catedral de Santiago de Compostela1

Catedral de Santiago de Compostela

Leave a Reply